Canoa de um Pau: Canoa no Rancho

Canoa de Um Pau Só


Dicas de Cultura

  • Museu Hassis

    Museu Hassis

    O Museu Hassis é uma homenagem à memória de Hiedy de Assis Corrêa. Seu acervo gráfico conta com um grande...
    Leia Mais

  • Delminda da Silveira

    Quem foi Delminda Silveira?

    Delminda Silveira de Sousa nasceu em Nossa Senhora do Desterro, atual Florianópolis, em 16 de outubro de 1854. Filha de...
    Leia Mais

Outro aprendizado dos açorianos com os índios Carijós é a Canoa de um Pau Só. Geralmente confeccionada com a árvore de Garapuvú, planta nativa e símbolo de Florianópolis, é utilizada para a pesca, movida a vela de pano ou a remo. Antigamente, estas canoas serviam também como meio de transporte de passageiros e cargas como legumes, verduras, olarias vindas do Mercado Público, produção agrícola e industrial. Além disso, foram por muito tempo a forma de deslocamento entre a ilha e o continente.

A preferência pelo uso do Garapuvú para fazer a canoa é clara, pois é uma madeira leve e macia ao tato, facilitando na hora de entalhar. Se bem cuidada, chegam a durar 100 anos. Outras madeiras também podem ser utilizadas na construção de canoas, mas o Garapuvú é especial, porque graças ao grande diâmetro do tronco, esculpiam a “canoa de um pau só”, tipo batelão e “canoa bordada”, nome que se deve à borda acrescentada pelos pescadores à canoa para deixá-la mais alta, podendo assim, entrar em mar agitado sem inundar a embarcação.

A produção de canoas foi uma das razões para a quase extinção da árvore no litoral sul, já que a partir de 1950 os colonizadores açorianos passaram a usar intensivamente o Garapuvú para suas embarcações na atividade pesqueira. Mas antes que a árvore se extinguisse, o poder público proibiu o corte, no ano de 1992.

Até os dias atuais, a Canoa de um Pau Só segue fazendo parte do cotidiano da cidade de Florianópolis. Prova disso é a Corrida de Canoa a Vela da Costa da Lagoa, que ocorre anualmente e utiliza a canoa de um pau só como o barco participante. Além disso, um vereador propôs em 2012 que a canoa se transformasse num patrimônio cultural imaterial da cidade, mostrando o quanto esse elemento foi importante no contexto histórico da Florianópolis. Mas não encontramos mais informações sobre isso.

Atualmente há poucas pessoas que seguem fabricando a canoa, até porque ficou mais complicado após a lei contra o corte do Garapuvú. Estima-se que cerca de dez pessoas em Florianópolis ainda mantém a produção, sendo que geralmente os mestres construtores, como são chamados, passam a tradição de geração para geração, como algumas famílias dos bairros Sambaqui e Lagoa da Conceição, que não pretendem deixar a tradição morrer tão cedo.


publicidade

publicidade

publicidade